Com o fim do auxílio emergencial, consumidor foca em itens essenciais